Your slogan here

Seis Lojas Virtuais Que Vendem (muito) Também Pelo Instagram

Dicas Consideráveis Pro Seu Negócio Decolar Em 2018


“Muitos empreendedores acham que a internet é uma avenida de mão única, e só se importam com o cliente no momento em que ele tem alguma reclamação ou elogio”, reconhece Natan Sztamfater, diretor da agência de marketing online CookieWeb. O Que é Colorismo? família da mineira Grazielle Caetano, de vince e seis anos, a todo o momento evitou alterar o que quer que fosse na receita da cachaça que deu origem à fabricante de bebidas Germana. Por mais de um século, a aguardente foi produzida em alambiques artesanais no município de Nova União, em uma localidade montanhosa do interior de Minas Gerais, como esta de nos tempos do avô de Grazielle, fundador da empresa. Há dois anos, o negócio começou a doar mostras de que não poderia mais suportar o peso da tradição.


Na época, o pai de Grazielle transferiu a ela o comando da cachaçaria. Ao avaliar as experctativas para o futuro, ela chegou à conclusão de que era hora de alterar. “A empresa havia parado de crescer”, diz Grazielle. Grazielle decidiu que era hora de fazer novos produtos, em uma tentativa de rejuvenescer a marca. “O defeito é que eu não sabia por onde começar”, diz. Foi quando resolveu procurar a opinião dos compradores mais adolescentes num ponto de encontro muito frequentado neste público, como as mídias sociais.


Grazielle montou uma comunidade da cachaça Germana no Orkut, pela época a principal rede social no Brasil. “Ao abrir conversas a respeito cachaça, muitos adolescentes diziam preferir bebidas de sabor mais suave”, diz ela. As discussões ajudaram os donos da Germana a achar quais eram as marcas de cachaça preferidas pelo público jovem que frequenta as baladas.




Pra comparecer à fórmula maravilhoso, Grazielle convidou 10 dos participantes mais ativos nas discussões no Orkut para sessões de degustação — eles assim como puderam opinar a respeito os novos rótulos e o modelo das garrafas. Lançada em 2010, a nova cachaça neste momento representa 8% do faturamento da Germana, que precisa voltar a quinze milhões de reais em 2011, três vezes mais do que no momento em que Grazielle assumiu os negócios.


Desde 2009, o contato com os consumidores nas mídias sociais se transformou na principal referência de dicas para a corporação. A diferença é que, neste momento, boa quota das conversas acontece no Facebook, rede social que vem tomando o ambiente do Orkut pela preferência dos brasileiros. O aprendizado pela rede tem ajudado a Germana a entrar em novos negócios. Nos últimos 2 anos, a corporação diversificou sua atuação no mercado ao abrir 2 bares e 3 casas de shows em Encantador Horizonte.


“Usamos o Facebook pra saber se os frequentadores curtem os músicos que se apresentam nas nossas casas”, reconhece Grazielle. “Não gastamos com pesquisas. O publicitário Alberto Osório, de 52 anos, encontrou no Twitter uma maneira de descobrir rapidamente se as outras coleções de tua grife de roupas femininas, a carioca Maria Filó, caem no gosto das consumidoras.


Ao lançar novos modelos de vestidos, camisas e outros tipos de peças, ele divulga imagens de teu catálogo pras mais de 12.000 pessoas que seguem o perfil da empresa no Twitter. “Pelos comentários que surgem espontaneamente, em poucas horas consigo saber se uma peça agradou ou se ela corre o risco de permanecer esquentando a prateleira até a próxima estação”, admite Osório.


Desde 2009, Osório vem usando o burburinho causado pelas consumidoras no Twitter para agir a tempo de evitar que tua elaboração encalhe. Dependendo do tipo do comentário mais contínuo, ele poderá, tendo como exemplo, interromper a elaboração para substituir a cor de uma roupa que não agradou muito ou variar o tecido para aprimorar o caimento.


Em outras ocorrências, a solução podes ser muito mais prática. “Às vezes, as consumidoras que nos seguem no Twitter dizem que não gostam de um padrão por não saber exatamente como usá-lo”, declara Osório. Como Atrair Freguêses Utilizando As Mídias sociais , ele refaz as imagens das peças que não caíram no gosto do público, sugerindo combinações com outros acessórios, como sapatos, bolsas e bijuterias. No ano passado, a Maria Filó faturou 100 milhões de reais — a organização mantém uma rede de quarenta lojas próprias, além de vender para varejistas multimarcas. Utilizar o Twitter para antecipar que peças de uma coleção correm o traço de encalhar no varejo foi uma descoberta casual na Maria Filó.


Ao construir o perfil da empresa no Twitter, Osório intencionava apenas manter um canal de intercomunicação com as consumidores em potencial para publicar as novidades da corporação e, no máximo, responder a dúvidas e reclamações das consumidoras com mais agilidade. Em insuficiente tempo, contudo, ele percebeu que o microblog onde as pessoas são capazes de postar comentários de até 140 caracteres poderia ser bem mais que um canal de diálogo. “Moda e modo são o tipo de tema que se alastra muito rapidamente no Twitter”, diz Osório.